O discurso da inovação: um estudo de caso na Universidade Tecnológica Federal do Paraná, campus Francisco Beltrão (UTFPR-FB), Brasil

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Carina Merkle Lingnau https://orcid.org/0000-0002-8469-3961
Mateus Mota Loiola Coutinho https://orcid.org/0000-0001-7990-1052

Keywords

Discurso institucional, metodologias ativas, Universidade Tecnológica, Dispositivo

Resumo

Michel Foucault foi um importante filósofo do século XX. Muitos de seus pensamentos ainda são importantes para se pensar a sociedade, conforme o conceito de dispositivo tomado por esta pesquisa. Este trabalho tem como objetivo analisar a relação do dispositivo foucaultiano com as metodologias ativas utilizadas na UTFPR-FB (Universidade Tecnológica do Paraná, Campus Francisco Beltrão). Adotamos os conceitos de discurso, dispositivo e metodologias ativas com base em exemplos de sala de aula da universidade. Para a metodologia da pesquisa utilizamos revisão bibliográfica e documental acompanhada de discussão teórica. Como mostra a análise, concluímos que a UTFPR-FB utiliza recursos que criam dispositivos, que associam a universidade a uma metodologia de ensino inovadora e com foco nas metodologias ativas mais recursos tecnológicos. Este é um vínculo questionável, pois no cotidiano desta universidade as metodologias se apresentam como ferramentas que auxiliam, mas não substituem, os métodos convencionais de ensino. Além disso, verificamos que os investimentos federais vêm diminuindo consideravelmente e como resultado muitos equipamentos e estruturas não conseguem oferecer as condições mínimas para o desenvolvimento e aplicação de novas metodologias inseridas em ambiente tecnológico atualizado.

Abstract 344 | pdf Downloads 209

Referências

A. Peci; M.M.F.Vieira; S.R. Clegg. (2006). “A construção do "Real" e práticas discursivas: o poder nos processos de institucionaliz(ação)”. Rev. adm. contemp., Curitiba, v.10, n.3, p. 51-71, set. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-65552006000300004&lng=en&nrm=iso, acessado em 16 abr 2020.
Brasil. (2008). Lei nº 11.892, de 29 de dezembro de 2008. Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11892.htm, acessado em 28 jun. 2021.
Brasil. (2012). Lei nº 12.677, de 25 de junho de 2012. [Equipara o Colégio Pedro II aos Institutos Federais]. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2012/Lei/L12677.htm, acessado em 28 jun. 2021.
Brasil. (2021/02/02). Ministério da Educação. Governança da Rede Federal Educação Profissional, Científica e Tecnológica. Disponível em: https://www.gov.br/mec/pt-br/acesso-a-informacao/institucional/secretarias/secretaria-de-educacao-profissional/governanca-da-rede-federal-educacao-profissional-cientifica-e-tecnologica. Acesso em 25 abr. 2021.
Colunas Tortas. (2014). O que é discurso? Uma abordagem Foucaultiana. Disponível em: https://colunastortas.com.br/o-que-e-discurso/, acessado em 10 mar 2020.
E.L. Batista. (2021/06/23).'Ciência e tecnologia criam o dinheiro', diz presidente da Fapesp. Folha de S. Paulo. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/ciencia/2021/06/fapesp-inicia-comemoracao-dos-60-anos-com-ciclo-de-conferencias-sobre-ciencia-e-sociedade.shtml, acessado em 29 jun. 2021.
F.P.S. Gouveia. (2016). A expansão dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia no território brasileiro: entre o local e o nacional. Espaço e Economia, 9/2016. Vide Cenário da Rede Federal e Despesas Realizadas pelo Ministério da Educação com a RFEPCT. p. 5 e 6. Disponível em: https://doi.org/10.4000/espacoeconomia.2434, acessado em 28 jun. 2021.
J.C. C. Leite [org]. (2010). UTFPR: uma história de 100 anos 1. ed. Curitiba : Ed. UTFPR. Disponível em: file:///C:/Users/carin/Downloads/livro_centenario_utfpr_site(1)%20(1).pdf, acessado em 29 jun. 2021.
J. Moran. (2013). Metodologias ativas: alguns questionamentos. Disponível em: Acesso em 29 jan 2020.
J. Moran. (2019). Desafios na implementação do Projeto de Vida na Educação Básica e Superior. Disponível em: http://www2.eca.usp.br/moran/wp-content/uploads/2019/06/Desafios_Vida1.pdf, acessado em 15 jan 2020.
L.Matias. (2021/02/12). Mentalidade tecnológica deve ser meta de novatos e veteranos. Folha de S. Paulo. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/seminariosfolha/2021/02/mentalidade-tecnologica-deve-ser-meta-de-novatos-e-veteranos.shtml, acessado em 29 jun. 2021.
L.Tenente. (2020/08/23). Universidades federais perdem, em 10 anos, 73% da verba para construir laboratórios, fazer obras e trocar computadores. G1. Disponível em: https://g1.globo.com/educacao/noticia/2020/08/23/universidades-federais-perdem-em-10-anos-73percent-da-verba-para-construir-laboratorios-fazer-obras-e-trocar-computadores.ghtml, acessado em 29 jun. 2021.
M. do R. Gregolim. (2016). “Análise do Discurso com Michel Foucault”.Ep. 02 Os Dispositivos. Disponível em: at https://www.youtube.com/watch?v=IpMURaG9hYc, acessado em 16 jul 2019.
M. Foucault. (2008). Microfísica do poder. Org e trad. Roberto Machado. 25ª.ed. Rio de Janeiro: Edições Graal.
M. Foucault. (2014). A arqueologia do saber. Tradução Luiz Felipe Baeta Neves. 8ªed – Rio de Janeiro: Forense Universitária.
Portal UTFPR. (2017). “Sobre a UTFPR”. Disponível em: http://portal.utfpr.edu.br/institucional/sobre-a-utfpr-1, accessado em 15 abr 2020.
T.S. Borges; G. Alencar. (2014). “Metodologias ativas na promoção da formação crítica do estudante: o uso das metodologias ativas como recurso didático na formação crítica do estudante do ensino superior”. Cairu em Revista, Jul/Ago. Ano 03, n° 04.