A reserva territorial dos aborígenes potiguaras do Brasil: um locus simbólico

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

José Manuel Simões

Keywords

aborígenes Potiguara, lugares de memória, reconstrução das memórias, censuras, locus simbólico, preservar o passado

Resumo

Os vários volumes coordenados por Pierre Nora para perseguirem uma história dos lugares da memória da França tornaram-se em referência teórica multidisciplinar para quem, como nós, procura reconstruir as memórias com que se organiza hoje a terra dos aborígenes Potiguara do Brasil. Na introdução ao volumoso trabalho que dirigiu durante oito anos, Nora explicava o seu entendimento epistémico da noção de “lugares da memória”, sublinhando que um “lieu de mémoire” é qualquer entidade significativa que, material ou imaterial por natureza, através da vontade humana ou do desgaste do tempo, se tornou um elemento simbólico da herança memorial de uma comunidade. Acrescentava ainda o historiador francês que, sendo a memória a estrutura fundamental deste processo geralmente demorado, convinha entendê-la como um fenómeno de emoções e magias que apenas acomoda os factos que a alimentam. Em rigor, a memória é sempre vaga, reminiscente, agita tanto impressões gerais quanto finos detalhes simbólicos. Mais ainda, a memória é sempre vulnerável a transferências, recordações reprimidas e imaginadas, a censuras e a todo o tipo de projeções. (Nora, 1984). Neste artigo, procuramos perceber que os lugares da memória são também quase sempre o que nos chega, fica e seleciona o passado. A própria reserva onde vivem surge como um locus simbólico ao qual os potiguaras se agarram com todas as suas forças para preservarem o que lhes resta do seu passado.

Abstract 235 | pdf Downloads 241

Referências

ALMEIDA, Alfredo Wagner Berno de. “O Getat e a Arrecadação de Áreas Rurais como Terra Devoluta”, in: A Amazônia Brasileira em Foco. Rio de Janeiro: CNDDA, Nº 15, 1984.
BAUMFELD, Carlos Minc, “Violência e Terra, No Brasil e na Amazónia”, in: A Amazônia Brasileira em Foco. Rio de Janeiro: CNDDA, Nº 15, 1984.
GOMES, Mércio Pereira. Os Índios e o Brasil: Ensaio sobre um Holocausto e sobre uma Nova Possibilidade de Convivência. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 1998.
HARNER, Michael. The way of shaman: a guide to power and healing. New York: Harper & Row Publishers, 1980.
McLuhan, Marshall. The Gutenberg Galaxy: The making of Typographic Man. Toronto: University of Toronto Press, 1962.
MCLUHAN, Marshall. & FIORE, Quentin. The Medium is the Message: An Inventory of Effects. Harmondsworth: Penguin, 1967.
MOTA, Clarice Novaes da. “Ser Indígena no Brasil Contemporâneo: Novos Rumos para um Velho Dilema”, in: Ciência e cultura (cienciaecultura.bvs.br). vol.60, nº4, São Paulo, 2008.
NASH, Roy. “Uma Política Florestal para o Brasil”, in: A Amazônia Brasileira em Foco. Rio de Janeiro: CNDDA, Nº 15, 1984.
NORA, Pierre. Les Lieux de mémoire. Paris: Gallimard, 1984-1992, 3 t., 7 vols.

Fontes orais
Entrevista concedida por Dona Joana, da Aldeia Galego, a 5 de Dezembro de 2007.
Entrevista concedida pelo chefe geral da reserva dos Índios Potiguara, Caboquinho, a 20 de Dezembro de 2017.
Entrevista concedida pelo Índio Jano, a 28 de Dezembro de 2017.
Entrevista concedida pelo Índio Jerónimo Carvalho a 22 de Agosto de 2019.
Entrevista concedida pelo cacique de São Francisco, Djalma, a 28 de Novembro de 2017.
Entrevista concedida pelo ex-cacique geral das aldeias Potiguara, Raqué, a 16 de Novembro de 2007.

Recursos e créditos web
Guia turístico e roteiro de viagem da Baía da Traição em http://www.feriasbrasil. com.br/pb/baiadatraicao/.
Não se Move Santuário – Património Cultural dos Povos, www.santuariodospajes.org.
POMBO, Olga, O Meio é a Mensagem, disponível em / acesso em:
www.educ.fc.ul.pt/ docentes/opombo/hfe/...estudo_mcl_olga.pdf
Turismo na Baía da Traição: http://conhecabaiadatraicao.com/;http:// visitebaiadatraicao. com.br/