‘Fado da Censura’ de Fernando Pessoa: exemplo raro de poema de intervenção política destinado ao canto

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Armando Nascimento Rosa

Keywords

Fernando Pessoa; poesia; canto; fado; censura; sátira política.

Resumo

‘Fado da Censura’ é um poema não datado de Fernando Pessoa ortónimo que, pelo estilo e temática, pertence à derradeira fase da sua vida, num momento em que o poeta se vê em rota de colisão com a ideologia emergente do golpe militar de 1926, que implanta no país um regime ditatorial. O curioso deste texto pessoano, para além da temática de sátira política que o título denuncia, consiste em ser o único poema, que Pessoa nos legou, composto no formato de décimas, da tradição poética popular (as décimas integram uma quadra de mote, seguida de quarenta versos heptassilábicos, distribuídos por quatro estrofes de dez versos, cada uma delas terminando, em sequência, com um dos versos da quadra inicial) e que se assume, além do mais, como letra concebida para ser cantada em melodias do fado tradicional lisboeta. Importa analisar neste poema, tão deveras singular do corpus pessoano, o cruzamento entre a criação literária - inspirada nas formas da tradição popular de transmissão oral - e a expressão musical do canto como intervenção política, que faz parte do historial do fado, em especial desde o final de oitocentos às primeiras duas décadas do século XX.

Abstract 504 | PDF Downloads 395

Referências

Barreto, José (2015). “A Poesia Política de Fernando Pessoa”. In Abril - Revista do Núcleo de Estudos de Literatura Portuguesa e Africana da UFF (Vol. 7, no. 14, pp.189-209). Niterói/Rio de Janeiro: Universidade Federal Fluminense.
_______ (2017). “A última paixão de Fernando Pessoa”. In Almeida, O., Medeiros P., Pizarro, J. (Eds.). Pessoa Plural - Revista de Estudos Pessoanos/A Journal of Fernando Pessoa Studies (No. 12, pp. 596-641). Brown University/Warwick University & Universidad de los Andes (https://www.brown.edu/Departments/Portuguese_Brazilian_Studies/ejph/pessoaplural/issues.html). Acedido em 10/4/2018.
________ (2012). “O Fado do Bristol Club”. In Malomil. Blogger (17/12/2012). (http://malomil.blogspot.pt/2012/12/o-fado-do-bristol-club.html). Acedido em 10/4/2018.
Correia, Natália (2015). Não Percas a Rosa. Diário e algo mais (25 de Abril de 1974 – 20 de Dezembro de 1975) / Ó Liberdade, Brancura do Relâmpago. Crónicas (15 de Julho de 1974 – 22 de Março de 1976). (Ângela Almeida e Vladimiro Nunes, Eds.). Lisboa: Ponto de Fuga.
Lopes, Teresa Rita (Ed.). (1993). Pessoa Inédito. Lisboa: Livros Horizonte.
Nery, Rui Vieira (2016). “O Fado e a ideologia do Estado Novo”. Prefácio in MOITA, Luiz. O Fado, Canção de Vencidos (1936). Edição fac-símile. Lisboa: A Bela e o Monstro/Museu do Fado.
Pessoa, Fernando (1986). Escritos Íntimos, Cartas e Páginas Autobiográficas. (António Quadros, Ed.). Mem Martins: Publicações Europa-América.
Pessoa, Fernando (1979). “O Fado e a Alma Portuguesa”. In Rocheta, M. I., Morão, P., Serrão, J. (Eds.) Sobre Portugal - Introdução ao Problema Nacional. Fernando Pessoa (p. 98). Lisboa: Ática.
Pessoa, Fernando (2006). Poesia 1931-1935 e não datada (Manuela Parreira da Silva, Ana Maria Freitas e Madalena Dine, Eds.). Lisboa: Assírio e Alvim.
Pessoa, Fernando (2015), Sobre o Fascismo, a Ditadura Militar e Salazar. (José Barreto, Ed.). Lisboa: Tinta da China.
Rosa, Armando Nascimento (2018). “Primórdios de Pessoa musicado”. In Rosa, N., Silva, A. N., O Piano em Pessoa (livreto do CD, pp. 10-11). Lisboa: Tradisom/Instituto Politécnico de Lisboa/Casa Fernando Pessoa.
Santos, Vítor Pavão dos (2014). O Fado da tua Voz, Amália e os Poetas. Lisboa: Bertrand Editora.