O Desafio da Avaliação na Formação Médica por Competência

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Eliane Dias Gontijo
Cristina Gonçalves Alvim
Zilma Silveira Nogueira Reis

Keywords

avaliação educacional, competência clínica, educação baseada em competências, educação médica

Resumo

As Diretrizes Curriculares Nacionais brasileiras do Curso de Graduação em Medicina direcionam recomendações para as instituições de ensino superior, com foco na formação baseada no desenvolvimento de competências. Tal apontamento implica em desenvolver no discente a capacidade de mobilizar não apenas conhecimentos, mas também habilidades e atitudes para lidar com situações e dilemas reais, preparando-o para o cenário de atuação profissional do médico no país. Os autores apresentam um novo modelo conceitual, integrativo, não hierárquico e representado por um átomo, cujos atributos: saber, aplicar, demonstrar, fazer, ser e interagir orbitam em torno do desenvolvimento de competências essenciais. Tal concepção, uma remodelação da tradicional pirâmide proposta por Miller, é fruto das experiências avaliativas desenvolvidas na instituição, de forma a favorecer a reflexão sobre a complexidade do processo da formação médica.

Abstract 279 | PDF Downloads 320

Referências

Almeida, M., Feuerwerker, L., & Llanos, C. (1999). Educação dos profissionais de saúde na América Latina: teoria e prática de um movimento de mudança. In Saúde em Debate. Hucitec Lugar Editorial.
Bastos, L. (2002). Corpo e subjetividade na Medicina: impasses e paradoxos. Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Instituto de Medicina Social.
Brasil. (2014). Resolução nº 3, de 20 de junho de 2014. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Medicina e dá outras providências. edited by Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Brasília: Portal do Ministério da Educação. Retrieved from: Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/Med.pdf.
Camargo Jr, K. (1992). (Ir) racionalidade médica: os paradoxos da clínica. Physis: Revista de Saúde Coletiva 2(1), 203-230.
Cyrino, E., & Toralles-Pereira, M. L. (2004). Trabalhando com estratégias de ensino-aprendizado por descoberta na área da saúde: a problematização e a aprendizagem baseada em problemas. Cadernos de Saúde Pública 20:780-788.
Delors, J., Tunas Eufrásio, J. C., & Carneiro, R., and Century International Commission on Education for the Twenty-First. (1998). Educação: um tesouro a descobrir: relatório para a Unesco da Comissão Internacional sobre Educação para o século XXI.
Epstein, Ronald M., & Hundert, E. (2002). Defining and assessing professional competence. Jama 287(2), 226-235 %@ 0098-7484.
Feitosa, Helvécio Neves., Rego, S., Bataglia, P., Rego, G., & Nunes, R. (2013). Competência de juízo moral dos estudantes de medicina: um estudo piloto. Revista Brasileira de Educação Médica: 5-14.
Flavell, John H. (1976). Metacognitive aspects of problem solving. The nature of intelligence: 231-235.
Gontijo, E. D., Gonçalves, C. A., & Lima, M. E. (2015). Manual de avaliação da aprendizagem no curso de graduação em Medicina. Revista Docência do Ensino Superior 5(1), 205-325.
Gontijo, E. D., Alvim, C., Megale, L., Renan, C. J., & Lima, M. (2013). Matriz de competências essenciais para a formação e avaliação de desempenho de estudantes de Medicina. Rev. Bras Educ Médica 37(4), 526-539.
Inc, Coursera. 2016. Coursera. accessed 28/05/2016. https://www.coursera.org/.
Lowry, Stella. 1993. Assessment of students. BMJ: British Medical Journal 306 (6869), 51.
Miller, George E. (1990). The assessment of clinical skills/competence/performance. Academic medicine 65(9), S63-7.
Perrenoud, Philippe. 1999. Avaliação: da excelência à regulação das aprendizagens-entre duas lógicas: Artmed.
Reis, Z. S. N., Melo, M. C., Corrêa, E. J., Pereira, A. K., Santos D. B., & Alves, H. J. (2016). TECNOLOGIAS DIGITAIS PARA O ENSINO EM SAÚDE: relato de experiências e a convergência para o Projeto AVAS21. Revista de Saúde Digital e Tecnologias Educacionais-RESDITE 1(1).
Ribeiro, Célia. (2003). Metacognição: um apoio ao processo de aprendizagem. Psicologia: reflexão e crítica 16 (1), 109-116.
Ronca, A. C. C. Teorias de ensino: a contribuição de David Ausubel. Temas Psicol [Internet]. (1994) Dec [cited 2015 Feb 22]; 2(3), 91-5.
SchützeI, Manuel., Rodrigues, C. J., Sandra Monetti S. M., & Parisotto, V. S. (2012). Projeto imagem da semana. Revista Brasileira de Educação Médica 36(3), 423-430.
Troncon, L. E. A. (2007). Utilização de pacientes simulados no ensino e na avaliação de habilidades clínicas. Medicina (Ribeirao Preto. Online), 40(2).
van Mook, Walther N. K. A., Luijk, Scheltus J. van, O’Sullivan, Helen, Wass, Valerie, Zwaveling, Jan Harm, Schuwirth, Lambert W., and van der Vleuten, Cees P. M. (2009). The concepts of professionalism and professional behaviour: Conflicts in both definition and learning outcomes. European Journal of Internal Medicine 20 (4), e85-e89.

Artigos mais lidos do(s) mesmo(s) autor(es)